Prisco recomenda atos pacíficos

26/04/2014 - 18:01 |

 

REDAÇÃO

Foto: Divulgação/Aspra-FSA

Por meio de carta, o vereador Marco Prisco (PSDB), líder da greve da PM da Bahia, finalizada na última semana, pede aos policiais que realizem atos pacíficos em protesto por sua prisão. O vereador está preso desde o dia 18 deste mês, na Penitenciária da Papuda, em cumprimento à prisão preventiva de 90 dias, solicitada pelo Ministério Público Federal, para “garantia da ordem pública”.

O primeiro ato foi realizado esta semana, em Feira de Santana, distante 108 quilômetros de Salvador, quando, durante a tradicional Micareta da cidade, considerada o maior Carnaval fora de época do país, os policiais distribuíram flores à população, como forma de protestar contra a prisão do líder grevista.

Na carta, o presidente da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares no Estado da Bahia (Aspra) diz que a PM de todo o estado deve seguir o exemplo dos policiais feirenses, com o objetivo de mostrar “carinho e respeito” pela população.

“Agradeço aos policiais de Feira de Santana, pela iniciativa de entregar flores à população na micareta. Faço um pedido a todos os policiais da Bahia para entregar flores também a todos, para mostrar o nosso carinho e respeito. Tenham certeza que isso vai ajudar a todos”, diz.

Habeas Corpus - Na última quarta-feira (23), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski rejeitou o pedido de liberdade feito pela defesa do vereador. Na sentença, Lewandowski destacou que a prisão foi decretada porque “o líder do movimento paredista em 2012, articulava mais uma vez a deflagração de outra greve, o que poderia ocasionar graves transtornos à população, a exemplo do que ocorreu naquele ano”.

A defesa de Prisco alegou que a prisão é ilegal porque a greve na Bahia já terminou.

Confira abaixo a carta enviada por Marco Prisco à PM da Bahia.

 

Foto: Reprodução

TAGS: