‘Óbvio que PT é o mais forte’

17/05/2013 - 8:43 |

 

REDAÇÃO

Foto: Arquivo

Sem candidato natural à sucessão do governador Jaques Wagner, o PT da Bahia está em campo, com quatro nomes (Rui Costa, Walter Pinheiro, Luiz Caetano e José Sérgio Gabrielli) para testar sua liderança, capilaridade e densidade eleitoral. Dialoga com as lideranças da base de apoio, mas com algumas diretrizes estratégicas claras: a disputa nacional vai influenciar a formação dos palaques estaduais e o PT é o mais forte da coalizão até do ponto de vista aritmético, disse o presidente da legenda Jonas Paulo, durante o programa ‘Bahia Com Tudo’, da Rede Tudo FM (102,5).

“Temos feito pesquisas qualitativas e quantitativas para avaliação deste cenário”, disse. “As conversas com os aliados também são frequentes para manter a unidade do grupo. Nos últimos dias, conversei com Otto Alencar (PSD), Mário Negromonte (PP), José Rocha (PR), Daniel Almeida (PCdoB), Marcelo Nilo (PDT) e estão todos mobilizados para participar do palanque da presidente Dilma”.

Jonas Paulo não citou a senadora Lídice da Mata (PSB). Indagado sobre as razões desta exclusão, explicou que não pode haver dúvida sobre a integração com a campanha nacional pela reeleição da presidente Dilma. “O PSB tem um problema nacional grande. Lídice poderá não integrar ao palanque de Dilma porque Eduardo Campos é pré-candidato à Presidência da República. Esta dúvida em relação ao palanque nacional nós não podemos ter”.

Clique para ouvir a entrevistaJonas_Paulo_1605

 

Programa Bahia Com TudoTudo FM (102,5)

De Segunda a Sexta, das 17h50 às 19h

Apresentação: Andrea Mendonça, Lenilde Pacheco e André Spínola

TAGS: