Vereador propõe mudanças no trânsito para o Carnaval 2015

10/03/2014 - 14:52 |

 

REDAÇÃO

O vereador Euvaldo Jorge (PP), presidente da Comissão de Trânsito, Transportes e Serviços Municipais da Câmara de Salvador, propõe novas alternativas para melhorar a fluidez do tráfego na cidade durante o Carnaval. Ele considera que as soluções adotadas pela Prefeitura para a folia deste ano são positivas, mas sugere mudanças, que deverão ser implementadas já em 2015, bem como melhorias no acesso ao transporte público.

A Comissão apresentará ao prefeito ACM Neto propostas como a que trata da centralização de vendas de abadás. De acordo com o projeto, a comercialização deverá ocorrer em áreas estruturadas fora do trajeto dos circuitos oficiais e de grandes centros, reduzindo consideravelmente os congestionamentos formados em áreas importantes como as regiões do Iguatemi, Barra, Centro e Pelourinho.

Transporte - Outra sugestão diz respeito aos bolsões de estacionamentos em diferentes pontos da cidade com oferta de micro-ônibus transportando os foliões – identificados por pulseiras – até perto dos circuitos; além de uma maior fiscalização da via exclusiva para táxi.

“É preciso uma fiscalização mais rígida. Muitos carros particulares desrespeitaram a via exclusiva, prejudicando a fluidez do tráfego e, consequentemente, retardando a fila de táxis para a população”, justifica o vereador.

Euvaldo Jorge diz ainda que a superlotação de carros particulares nas ruas pode ser atribuída à pouca oferta de ônibus e táxis para atender a grande demanda de foliões, principalmente na volta para casa. “É importante conduzir essas pessoas com celeridade e conforto. Ouvi muitas reclamações a respeito”, afirma.

Sobre as irregularidades cometidas por alguns taxistas quanto as cobranças sem uso do taxímetro, o vereador sugere o retorno do zoneamento da cidade, em que os valores do ponto de partida até o destino do passageiro são pré-fixados pelo Poder Público através de tabela.

Para inibir os abusos, os usuários também receberiam um bilhete com a comprovação de que o veículo está credenciado junto a Prefeitura, contendo numero do alvará, placa, origem, destino da corrida e valores.

“É preciso ainda uma forma de punição para os taxistas que desrespeitarem as normas. Porém não considero que a apreensão do veículo seja a melhor opção porque penaliza ainda mais o usuário com a diminuição da oferta”, finaliza o vereador.

TAGS: