Dirigentes petistas ficam irritados com declaração de Wagner

5/01/2016 - 17:02 |

 

REDAÇÃO

Foto: Divulgação

A declaração dada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, afirmando que o Partido dos Trabalhadores “se lambuzou” do poder, irritou diversos dirigentes petistas e aumentou ainda mais o desgaste entre o partido e o governo. A opinião foi dada em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, no último final de semana.

Uma das vozes que se ergueram contra Wagner, o ex-ministro da Justiça Tarso Genro afirmou que a declaração “foi profundamente infeliz e desrespeitosa, pois não contextualiza e generaliza”.

Para Genro, a declaração de Jaques Wagner reforça o coro do “antipetismo raivoso que anda na moda na direita e na extrema direita do país”. Segundo Tarso, Wagner deveria ser “menos metafórico e mais politizado nas declarações, levando em conta a responsabilidade que tem”.

Entrevista - À Folha, Wagner disse que o PT “errou” ao não fazer a reforma política e ao reproduzir as “metodologias” antigas do financiamento eleitoral privado. Para ele, o partido “errou ao não ter feito a reforma política no primeiro ano do governo Lula. E aí não mudou os métodos do exercício da política. O resultado é que o PT, que não foi treinado para isto, encarnou o ditado: ‘Quem nunca comeu melado, quando come, se lambuza’”.

 

TAGS: